Economia

03/01/2017 13:50

Arrecadação da CFEM aumenta 13,3% em 2016

O Brasil arrecadou, no ano passado, R$ 1,7 bilhão com a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), os royalties de mineração. O valor é 13,3% maior do que os R$ 1,5 bilhão que foram recolhidos durante os doze meses de 2015. Os dados são do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

O maior Estado arrecadador, de janeiro a dezembro de 2016, foi Minas Gerais, com R$ 858,4 milhões, aumento de 27% ante o ano 2015, quando foram recolhidos R$ 675,4 milhões com os royalties de mineração.

O segundo Estado que mais arrecadou CFEM no ano passado foi o Pará, com R$ 525 milhões, aumento de 18,6% ante os R$ 442,4 milhões recolhidos em 2015.

As commodities que mais geraram receita em 2016 foram o minério de ferro, responsável pela arrecadação de R$ 1 bilhão, seguida pela bauxita, com R$ 99,2 milhões, e pelo cobre, com R$ 91,4 milhões.

No mês de dezembro do ano passado, a arrecadação brasileira da CFEM totalizou R$ 123 milhões, queda de 22,9% na comparação com os R$ 159,7 milhões recolhidos no mesmo mês de 2015. O maior Estado arrecadador foi Minas Gerais, com R$ 53,1 milhões, queda de 36,1% ante os R$ 83,2 milhões recolhidos em dezembro de 2015.

O Pará foi, em seguida, o segundo Estado que mais arrecadou royalties de mineração em dezembro de 2016, com R$ 41,4 milhões, queda de 10,7% na comparação com os R$ 46,6 milhões arrecadados no mesmo mês de 2015.

O minério de ferro foi a commodity que mais gerou receita em dezembro do ano passado, responsável pela arrecadação de R$ 65,4 milhões, queda de 32,5% ante os R$ 97 milhões arrecadados no mesmo mês de 2015. Já na comparação com novembro do ano passado, quando foram arrecadados R$ 80,1 milhões, a queda foi de 18,3%.

O cobre ocupou o segundo lugar na arrecadação em dezembro de 2016, com R$ 8,8 milhões, aumento de 10% ante os R$ 8 milhões arrecadados no mesmo mês de 2015. Em relação ao mês de de novembro do ano passado, quando a arrecadação com royalties de cobre totalizou R$ 6,4 milhões, o aumento foi de 37,5%.

Em terceiro lugar está a bauxita, com R$ 6,3 milhões arrecadados em dezembro de 2016, queda de 24% ante os R$ 8,3 milhões recolhidos no mês de dezembro de 2015. Na comparação com o mês de novembro do ano passado, quando a arrecadação com royalties de bauxita totalizou R$ 6,5 milhões, a queda foi de 3%.

Segundo o relatório do DNPM, que é atualizado diariamente, em 2016 foram pagos R$ 72,2 milhões da Taxa Anual por Hectare (TAH). O valor corresponde a 74,4% dos R$ 97 milhões previstos para o ano. Com informações do DNPM.

Fonte: Notícias de Mineração Brasil

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.