• Banner da campanha Outubro Rosa 2017
  • Programa de Estágio

Notícias

02/10/2017 16:40

Câncer de mama: a prevenção é o melhor remédio

Quem busca um conselho com Joselita Vianna sobre cuidados com a saúde vai ouvir o ditado popular mais comum sobre o assunto: “A prevenção é o melhor remédio”.

Quanto se trata de uma doença agressiva, como o câncer, o conselho é ainda mais importante para superar a patologia, que no caso da mama, é a que mais provoca a morte de mulheres no Brasil. O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que houve 57.960 novos casos de câncer de mama no País, só no ano de 2016. Na Bahia foram 2.760 novos casos no ano passado.

Joselita foi incluída nesta estatística em 2004, mesmo com acompanhamento periódico de um mastologista. Os nódulos na mama foram os primeiros sinais que poderia ser a doença. Mas, uma punção para analisar o material extraído detectou que o tumor era benigno e parecia que tudo estava sob controle.

No segundo semestre daquele ano ela percebeu alterações na mama e umas pontadas do lado esquerdo. Durante a avaliação clínica o médico recomendou fazer logo uma cirurgia para examinar o material, mesmo sem as medidas protocolares anteriores, pois uma situação nova poderia ter surgido.

O quadro apresentado durante o procedimento obrigou o especialista a fazer uma mastectomia (retirada da mama). O estágio inicial da doença permitiu que o tratamento posterior a cirurgia fosse mais ameno. O que poderia inicialmente provocar um choque deu lugar à serenidade, a mesma adotada para coordenar a equipe de colaboradores da Gerência Financeira da Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) nos últimos 7 anos.

Se a prevenção não evitou o câncer de mama o diagnóstico precoce foi fundamental para superar a doença. Logo após a cirurgia Joselita foi encaminhada ao oncologista e iniciou o tratamento venoso de quimioterapia. O estágio inicial do câncer de mama possivelmente permitiu uma quantidade mais reduzida de secções de quimioterapia, o que minimizou os efeitos colaterais das aplicações. Mesmo assim, ela conta que este foi o momento mais crítico do enfrentamento à doença. “O momento mais marcante foi durante a quimioterapia, que é quando a pessoa se sente mais debilitada, mas é preciso ter persistência e vontade de acabar logo com aquilo. Falar da doença também cura”, sentenciou Joselita.

Passado o estágio inicial do tratamento foi necessário manter a medicação, que passou a ser via oral, até completar os cinco anos de acordo com a recomendação da literatura médica. Mesmo com o fim da medicação, em 2009, ela continuou fazendo revisões periódicas com o oncologista e o mastologista. Finalmente, em 2013, veio o alívio, quando em uma das consultas periódicas o médico revelou que o caso dela tinha atingido o índice de 100% de cura, relacionado ao câncer de mama. Caso surgisse um novo tumor não poderia ser associado ao caso tratado e a partir de então seria necessário apenas o acompanhamento com o mastologista.

Histórias de luta e superação como a de Joselita é mais um ingrediente para a campanha de incentivo à prevenção e combate ao câncer de mama, realizada pela CBPM em parceria com o Núcleo Assistencial para Pessoas com Câncer (Naspec).

O Naspec é uma entidade civil de assistência social e médico-hospitalar, sem fins lucrativos, que atua há mais de 40 anos, com a missão de dar suporte às pessoas portadoras de câncer e com baixo poder aquisitivo, e também aos acompanhantes, dos 416 municípios do interior da Bahia, além de orientação e apoio logístico aos de Salvador.

O núcleo realiza em média 40 mil atendimentos por ano, oferecendo 74 leitos para pacientes e alojamento para acompanhantes, suporte para cuidados paliativos, consultório médico, sala de fisioterapia, lavandaria, cozinha industrial, refeitório, escritório administrativo, posto de enfermagem 24 horas com equipe multi e interdisciplinar.

Durante o Outubro Rosa serão realizadas palestras, feiras de artesanato, arrecadação de donativos e uma “Tarde das Boas Ações”, quando serão entregues na sede do Naspec os donativos com distribuição de lanches e apresentação do coral da CBPM.

Fonte: Texto: Amarildo Barbosa (Semae/CBPM)

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.