Pesquisa

19/12/2017 16:40

CPRM lança Núcleo de Inovação Tecnológica

O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) lançou o Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT-SGB), na sexta-feira (8). Durante a cerimônia de apresentação do NIT-SGB, foram ministradas palestras de pesquisadores da Vale, Embrapa, Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa) e Petrobras.

"Estamos numa busca incessante pela inovação, para responder adequadamente aos anseios da sociedade naquilo que é o papel de um serviço geológico", afirmou o diretor-presidente da CPRM, Esteves Pedro Colnago, em seu discurso.

Colnago destacou que, com o NIT-SGB, a CPRM poderá ter acesso a novas fontes de recursos e incentivos fiscais previstos na Lei de Inovação e Tecnologia. "Teremos maior flexibilidade operacional, possibilidade de expandir as parcerias necessárias para o desenvolvimento técnico-científico e isenção tributária para a importação de equipamentos para os nossos laboratórios", disse.

O diretor-presidente da estatal afirmou também que em breve será firmado, em Brasília, no Ministério de Minas e Energia, acordo entre a CPRM, Agência Nacional do Petróleo (ANP) e Petrobras, que possibilitará a modernização do Museu de Ciências da Terra e sua estrutura de pesquisa, o compartilhamento da rede de laboratório da CPRM e a implantação do Centro de Referência em Geociências, uma rede integrada de laboratórios microanalíticos de uso múltiplo.

"Todas essas ações estarão suportadas por projetos de P,D&I previstos na Lei nº 9.478, de 06/08/1997, que estabelece, dentre as atribuições da ANP, a de estimular a pesquisa e a adoção de novas tecnologias para o setor de óleo e gás", declarou. O presidente afirmou ainda que sem o desenvolvimento de parcerias com o setor produtivo a CPRM terá dificuldade de alcançar resultados para a sociedade.

Carlos Eduardo Ganade, geocientista-chefe do NIT, afirmou que os projetos do Centro de Desenvolvimento Tecnológico (Cedes) não concorrerão com os da área operacional, ao contrário, eles serão complementares e as equipes serão conjuntas e multidisciplinares. Os projetos de PD&I disponibilizados para as empresas de óleo e gás, setor mineral, meio ambiente e outros mais focados em políticas e gestão pública terão orçamento provindo dessas parcerias, em modelo de negócio similar a outras agências de pesquisa, como a CSIRO, na Austrália, e de outros serviços geológicos mundiais.

Anualmente, o Cedes apresentará seu portfólio de projetos às diretorias, quando, então, as equipes serão definidas e as fontes de orçamento explicitadas. As equipes dos projetos serão compostas por pesquisadores das várias diretorias da CPRM e poderão ser complementadas por especialistas de outras instituições, sempre que necessário, tendo a participação desses colaboradores externos duração apenas durante a vigência do projeto.

Ganade afirmou também, marcos importantes para o Serviço Geológico do Brasil, o credenciamento junto à ANP da CPRM como instituição de pesquisa, a criação do Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT) Antônio Dias Leite e do NIT-SGB. Esse último é uma exigência legal e tem a finalidade de gerir a política de inovação da instituição. "Essas iniciativas mostram o comprometimento da CPRM-SGB com a ciência e a tecnologia", avaliou o pesquisador.

Eliseu Alves, ex-presidente da Embrapa, afirmou que a empresa foi criada para dar resultados à sociedade a partir da ciência básica na área agrícola. Para ele, a instituição não seria o que é se não fosse por seu eficiente mecanismo de comunicação com a sociedade sobre suas descobertas e também pelo indispensável investimento em seu programa de pós-graduação, visando capacitar seus pesquisadores.

Alves disse ainda que o modelo de criação da Embrapa, em meados da década de 1970, foi inspirado na CPRM, concebida poucos anos antes. Destacou também que a conquista dos cerrados pela tecnologia, a fixação biológica de nitrogênio e o combate biológico a pragas e doenças foram decisivos para que a instituição tivesse uma boa imagem perante a opinião pública e autoridades governamentais. Para isso, a empresa investiu no relacionamento com a imprensa como forma de prestar contas à sociedade.
O pré-sal brasileiro também foi tema de palestra, ministrada pelo geólogo Otaviano Pessoa Neto, gerente-geral de Geologia e Petrofísica da Petrobras. Pessoa explicou os modelos geológicos do pré-sal e falou sobre produtividade e tamanho dos campos de petróleo e gás. Segundo ele, a descoberta do pré-sal é fruto de maciça aplicação tecnológica e da inovação que marcam a trajetória da empresa. Na palestra, ficou evidente a importância econômica e social da explotação do pré-sal, que hoje representa mais de 50% da produção nacional.

Marcelo Viana, diretor-geral do Impa afirmou que "o Impa é uma das mais respeitadas instituições de ensino e pesquisa do país e construiu essa reputação a partir do rigor absoluto com que seleciona os pesquisadores de seu quadro, resultando numa composição de pesquisadores e alunos de excelência".

O geólogo Breno Augusto dos Santos, responsável principal pela descoberta dos depósitos de ferro de Carajás, apresentou o histórico daquela que é uma das maiores descobertas minerais do planeta. "Carajás é um exemplo para o mundo, ao mostrar como a atividade minerária pode ser feita com máximo respeito ao meio ambiente", disse ele. As informações são do CPRM.


Fonte: Noticias de Mineração Brasil

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.