• Programa de Estágio

Geoquímica na Bahia

A partir do início da década de 1970, em meio ao grande movimento de pesquisa mineral que ocorreu no país, o território do Estado da Bahia foi objeto de intensas atividades de geoquímica. Por um lado, o DNPM (Departamento Nacional da Produção Mineral), através da CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais), patrocinava projetos de mapeamento geológico básico, em escala regional, que englobavam, entre outras atividades, o levantamento geoquímico por sedimento de corrente com o objetivo de delinear grandes províncias geoquímicas (1). Também a recém-criada CBPM realizava seus projetos de mapeamento geológico básico com prospecção geoquímica regional, tendo em vista a definição de metalotectos com potencial para abrigar depósitos minerais de caráter econômico. Ao mesmo tempo, empresas de mineração nacionais e multinacionais, em atuação no Estado, empreendiam programas de exploração mineral que envolviam atividades de geoquímica em busca de jazidas de ouro e sulfetos de metais base, além de outras substâncias, como diamante, platinóides, cromita e magnesita.

São desse período as descobertas de ouro no Greenstone Belt do Rio Itapicuru, diversas novas jazidas de cromita que vieram somar-se aos já conhecidos depósitos de Campo Formoso e as jazidas de ferro-titânio de Campo Alegre de Lourdes, para citar algumas. Os dados a seguir, compilados da página da CPRM na internet (http://www.cprm.gov.br), dão uma idéia da extensão e da intensidade das atividades de geoquímica no Estado, no período entre 1970 e 2016. Alguns dos projetos que serviram de fonte para esses dados foram realizados em cooperação com a CBPM e a antiga SME (Secretaria de Minas e Energia), absorvida pela atual Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia, à qual a CBPM está vinculada.

As amostras foram analisadas por diversos métodos, conforme a classe da amostra e os objetivos do projeto. Entre os métodos analíticos mais utilizados estão a espectrografia ótica de emissão, absorção atômica, plasma ICP, fluorescência de raios-X e análises gravimétricas, além de análises mineralógicas.
 
Recomendar esta página via e-mail: