• Programa de Estágio

Geoquímica na CBPM

Os primeiros projetos de mapeamento geológico com atividades de prospecção geoquímica na CBPM foram iniciados em 1973. A companhia empreendeu simultaneamente projetos de pesquisa regional (1:250.000) e projetos de pesquisa de semidetalhe (1:25.000). Ao longo dos seus 37 anos de história a CBPM realizou um dos maiores e mais bem sucedidos programas de exploração mineral empreendidos no país, tendo a prospecção geoquímica como uma de suas principais ferramentas.

Em seus primeiros anos, a CBPM contou com seu próprio laboratório de análise química, equipado para análises por via úmida, íon específico e espectrometria de absorção atômica. Entretanto, à medida que se programavam novos projetos de exploração mineral, abrangendo grandes áreas e com alto número de amostras de rocha, solo, sedimento de corrente e minério, tornou-se necessário apelar para laboratórios especializados, melhor aparelhados com equipamentos modernos, de sofisticação crescente, capazes de atender com rapidez e precisão à grande demanda de análises químicas diversificadas que esses projetos geravam: espectrografia ótica de emissão, fluorescência de raios-X, fire assay, plasma ICP, absorção atômica com níveis mínimos de detecção extremamente baixos, como, por exemplo, ouro em nível de ppb, análise de elementos terras raras e platinóides, entre outros. Já em 1980 a empresa enviava a esses laboratórios, para análises químicas diversas, 15.746 amostras de diferentes materiais.

No gráfico a seguir, observa-se que no período de 34 anos, entre 1977-2010, a empresa analisou mais de 5.000 amostras por ano, na maioria dos anos. Em apenas 13 desses 34 anos o total anual analisado foi inferior a esse número. Os números mais expressivos foram alcançados em 1993 (42.734), 1995 (29.805), 1998 (21.455) e 1999 (29.297).

Em todo o período considerado foram analisadas 278.402 amostras oriundas de programas de prospecção geoquímica, sendo 13.645 amostras de concentrado de bateia, 41.610 de rocha, 46.815 de sedimento de corrente e 176.332 de solo.

Se forem adicionadas a esses números, as amostras de outros materiais, tais como minérios diversos, argilas, pó calcário e outros, chega-se a 386.041 amostras submetidas a análise química em 33 anos (2).


Gráfico Análise de Amostras
Total anual de amostras analisadas quimicamente.

Tabela do total de amostras

Entre os sucessos alcançados por esse programa contam-se jazidas de ouro no Greenstone Belt do Rio Itapicuru, jazida de vanádio de Maracás, depósitos de fosfato, barita, chumbo e zinco na Bacia de Irecê, fluorita na Serra do Ramalho, calcário dolomítico na bacia do São Francisco, jazida de zinco no Greenstone Belt de Mundo Novo, jazida de níquel em Itagibá e diversos prospectos com alta potencialidade para jazidas minerais de caráter econômico, que constituem hoje importante patrimônio da empresa.

Referências

(1) CPRM, Catálogo Geral de Produtos e Serviços Geológicos. Levantamentos Geoquímicos. Base de Dados GEOQ. 2. Ed. Rio de Janeiro. Diretoria de Geologia e Recursos Minerais.

(2) CBPM. Relatório do SELAB. Relatório Interno 1975-2010. Salvador.
Recomendar esta página via e-mail: